Garota em Pedaços - Kathleen Glasgow

Resenha Livro Garota em Pedaços

Conheça Charlotte Davis, de apenas 17 anos, mais conhecida como Charlie. Ela sempre teve uma vida perturbadora: seu pai morrera quando ainda era criança, sua mãe não ligava pra ela. Na escola sofria bullying por ser estranha e não se encaixar em nenhum grupo. Foram anos de sofrimento silencioso, até que um dia fez amizade com uma aluna nova da sua turma.

A tal de Ellis era sua fonte de escape, mas acabou tornando-se um dos motivos de a pequena Charlie se machucar. Sim, sua tão amada e melhor amiga morreu de uma forma trágica. Suicídio! Charlie não se conformou e perdeu seu chão, não aceitando e se culpando pela morte da amiga. Fica sozinha de novo nesse mundo tão cruel. E foi na automutilação que encontrou seu novo escape. Afinal...

Preciso de libertação, preciso me machucar mais o que o mundo pode me machucar. Só assim posso me reconfortar. Pronto, pronto.

Depois de quase morrer, Charlie foi parar numa clínica, onde encontrou jovens parecidas, porém cada uma com uma peculiaridade diferente. No principio ela também se sentiu deslocada naquele lugar, porém gostava de estar ali. Ela descobriu no desenho uma nova fonte de escape, onde poderia depositar toda a sua dor, transportando para o papel tudo aquilo que não conseguia falar pra ninguém. Ela se sentia segura, sabia que naquele lugar não conseguiria se machucar e seria ajudada, conseguindo finalmente a libertação de todo aquele sofrimento.

Mas, como na vida dificilmente é como queremos, Charlie recebe a pior notícia: ganharia alta em breve. E naquele dia tenebroso a reação de sua mãe foi péssima, deixando-a sozinha com sua própria sorte. Simplesmente vai embora, sem ao menos olhar para trás. Gente, que mãe é essa? Misericórdia!

Sua esperança agora está em Tucson. Cidade nova, vida nova... ou não. Ela quer começar a viver direito e deixar de sobreviver, superar esse transtorno e ter uma vida normal. Continua se esforçando, procurando emprego e um lugar para morar, fazendo novas amizades.

Resenha Livro Garota em Pedaços

Charlie passa por cada situação que é angustiante ler. É difícil vê-la lutando contra si mesma diariamente. Aquele domínio próprio que ela tanto precisa às vezes parece pregar peças pra ela própria. Mas, da mesma maneira que a fraqueza persiste na sua vida, a força de querer ter uma vida normal é maior. O mundo das artes é seu lugar seguro, um mundo onde o passado dela não pode amedrontá-la, onde o futuro ela que decide como será.

O livro traz uma abordagem nada fácil de falar: a automutilação. Um tema tão forte e difícil, que tantas pessoas tentam ignorar, porém que está presente na nossa vida de uma forma tão singular e silenciosa.

Gostei demais da Nota da Autora no final, em que Kathleen disse que levou cerca de 9 anos para conseguir terminar de escrever esse livro e sua motivação era a experiência pessoal. Ela se automutilava e carrega as cicatrizes até hoje. Por muito tempo tentou esconder essa situação, até que um dia uma jovem sentou-se ao seu lado no ônibus e ela reparou que os pulsos dessa jovem estavam cortados. A menina reparou que ela viu e tentou esconder com as mangas da sua blusa. Kathleen diz que queria muito ter falado com essa jovem que ela não estava sozinha e que ela mesmo havia passado por tal situação, mas não falou nada e viu a jovem indo embora logo depois.

Deixei aquela garota sair do ônibus sem lhe dizer nada. E não devia ter feito isso. Eu devia ter mostrado para ela que, ainda que presa nas profundezas dela mesma, ela não estava sozinha.

Kathleen ficou pensando muito tempo nessa jovem e acabou ficando decepcionada consigo mesmo por não ter ajudado. Então criou coragem para escrever um livro, para que atingisse essas pessoas que sofrem do Transtorno do Controle do Impulso. E mais: ela quis mostrar que esse tema está no nosso dia a dia de uma forma tão clara, mas muitas vezes ignoramos e perdemos a oportunidade de conseguir ajudar alguém.

Resenha Livro Garota em Pedaços

Garota em Pedaços - Kathleen Glasgow
Outro Planeta
384 páginas
Livro cedido pela editora
Onde comprar: Submarino | Americanas | Saraiva | Amazon

5 comentários

  1. Ganhei esse livro faz pouco tempo e estava com um certo receito em ler, confesso.
    Mas depois de ler sua resenha, fiquei super curiosa pra conhecer a história da Charlotte.
    Esse negócio de começar a viver, não apenas sobreviver, me chamou demais a atenção.
    Parece ser uma história e tanto. De superação, emoção e tudo mais....
    Vou ler em breve, com certeza <3
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  2. Gabrielle!
    Infelizmente muitas pessoas criticam e acham que é uma doença banal que se a pessoa quiser, pode sair sem ter auxílio e isso não é verdade, é preciso estar atento, receber atenção e diagnóstico e acompanhamento médico.
    Deve ser um livro bem enriquecedor e principalmente um alerta.
    Uma semana esplendorosa!
    “Educar é semear com sabedoria e colher com paciência.” (Augusto Cury)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Gabrielle, sempre tive vontade de ler este livro mas nunca cheguei a ler uma resenha, apenas a sinopse, porém, pela sua resenha posso perceber o quanto incrível esse livro é.
    Muitas pessoas passam (e passaram) pelo o que a Charlie passou. Pelos quotes percebo o quão difícil é ler este livro, com certeza deve dar uma dor no coração em certas partes.
    Pegarei o livro emprestado com minha amiga que o possui e lerei ele o mais rápido possível.

    ResponderExcluir
  4. Olá !!
    A depressão e o Transtorno do Controle Obsessivo está ao nosso redor e a gente não vê quantas pessoas conhecidos ou não passam por isso ..

    Tenho uma prima de apenas 14 anos que se automutila, já está passando por tratamento médico só que ela não consegue superar o abandono e o desprezo que seus pais tem por ela. Bem triste isso !!


    Adorei a indicação !
    Bjo

    ResponderExcluir
  5. Oi Gabi, tudo bem?
    Quero ler este livro há muito tempo. É muito triste saber que existem pessoas que passam por esta situação e muitas vezes não recebem ajuda, ou se escondem por vergonha de estar passando por isso. Eu tenho um amor eterno por esses autores que abordam temas tão fortes, que servem como um ensinamento para quem não entende do tema, e até de consolo para as pessoas que estão sofrendo.
    Adorei a sua resenha e poder ver um pouco mais sobre o livro.
    Beijos

    ResponderExcluir

Que prazer em ter você aqui! Entre e sinta-se à vontade.
Se gostou do post (ou não), deixe um comentário. Sua opinião é muito importante pra melhorar cada vez mais o blog. =)