Para educar crianças feministas - Chimamanda Ngozi Adichie

MARAVILHOSA! Não tem outra palavra pra definir Chimamanda. Minha história com ela é antiga, e agora me falta ler os seus 2 romances já publicados. Mas hoje é dia de falar dessa cartilha linda.

Uma amiga pediu a Chimamanda dicas de como criar a filha "feministamente" pra ela se tornar feminista também, então ela lhe escreveu uma carta com 15 sugestões bem práticas. Esse livreto é uma adaptação da carta, com um foco mais em pais de meninas - por conta da filha da amiga -, mas igualmente aplicável para criação de meninos.

Para mim, o feminismo é sempre uma questão de contexto. Não tenho nenhuma regra. A coisa mais próxima disso são minhas duas "Ferramentas Feministas", que vou dividir com você como ponto de partida.
A primeira é a nossa premissa, a convicção firme e inabalável da qual partimos. Que premissa é essa? Nossa premissa feminista é: eu tenho valor. Eu tenho igualmente valor. Não "se". Não "enquanto". Eu tenho igualmente valor. E ponto final.
A segunda ferramente é uma pergunta: a gente pode inverter X e ter os mesmos resultados?

Assim como a autora na época em que escreveu, não tenho filhos. Hoje ela já tem uma menina e diz que tenta seguir as próprias sugestões, afinal sabemos que a expectativa é bem diferente da maternidade real. Fato é que tem que haver uma predisposição, uma vontade em criar os filhos diferente, e esse pode ser um bom começo.

Com sugestões como "Seja uma pessoa completa", "Ensine-lhe o gosto pelos livros" "Ensine-lhe a não se preocupar em agradar, e sim a ser honesta", "Dê-lhe um senso de identidade", "Esteja atenta às atividades e aparência dela" e "Ensine-lhe sobre a diferença", Chimamanda sugere ações para ser postas em prática ao mesmo tempo que pincela a teoria do feminismo. Nada maçante, pelo contrário, muito fácil de compreender e aparentemente simples de aplicar.

Como sempre ouvi que o casal deve conversar antes de engravidar, pra já fazer alguns acertos e acordos, creio que a leitura é importante não só pra quem já tem filhos. Aliás, mesmo não sendo mãe, convivo com outras crianças e me pego reproduzindo machismos que estão enraizados, repetidos pra mim desde bebê. E dá-lhe problematização! Quem já teve seus filhos, dá pra ler e já praticar (e nos contar as dificuldades que enfrentaram).

Mas não é só feminismo que o livro aborda. Temos vislumbres de outras lutas sociais, em especial o movimento negro, já que a autora também se engaja nessa causa. Mesmo assim, Chimamanda considera o sexismo pior, por ser mais difícil de ser observado. E entendo sua tristeza e revolta, já que muitas pessoas próximas a mim têm a mesma dificuldade de enxergar atitudes, falas e perspectivas machistas.

Também recomendo MUITO o outro livreto da autora, Sejamos todos feministas. Ele é esclarecedor, o pontapé para uma nova visão ou uma reafirmação de ideiais. Assim como esse, é bem curtinho, pra ser lido, relido e absorvido constantemente - e de preferência primeiro, pra já entrar no clima.

Aqui na blogosfera tem muito livro de ficção - e não há problema algum nisso; como a própria autora recomenda, leituras variadas são importantes para diversificação de mundo e visão. Mas de vez em quando é bom a gente sair da zona de conforto e se lançar em uma leitura que vai além do entretenimento e pode transformar vidas.

Enfim, desconstrução é um processo lento, gradual e em constante progresso. Não nos livramos de preconceitos da noite pro dia nem estamos imunes a falar/fazer alguma bobagem porque começamos a entender a importância da igualdade (de gênero, raça ou qualquer outra causa). Mas é nosso dever buscar melhorar, abrir o coração, praticar a empatia e lutar por uma sociedade mais justa. E, se não dá pra mudar o mundo, dá pra educar a próxima geração com mais amor e empoderamento. Vamos tentar?

Para educar crianças feministas - Chimamanda Ngozi Adichie
Companhia das Letras
96 páginas
Livro cedido pela editora
Onde comprar: Submarino | Americanas | Saraiva | Amazon

7 comentários

  1. Oi Giulia ;)
    Fiquei muito feliz que você favoritou!
    Já tinha visto outras resenhas sobre o livro, mas a sua que me deixou com muito interesse em lê-lo.
    Me interesso em saber mais sobre o feminismo e o movimento feminista, e adorei a forma como você disse que ela abordou o livro.
    Já fui procurar os discursos dela no youtube.
    Obrigada por fazer essa indicação maravilhosa, com certeza irei lê-lo!
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Oi Giulia,
    Nunca li nada escrito por Chimamanda, mas sempre que vejo a recomendação de uma de suas obras, fico muito curiosa e orgulhosa de ter alguém que consiga representar a nós, mulheres, de uma forma tão verdadeira e corajosa. Eu não tenho ideia de como criar um filho, não sou mãe e só de pensar em ser responsável pela educação de alguém fico assustada. Minha maior preocupação está em ensinar os valores certos, sem fazer diferenças ou descriminações. Para educar crianças feministas é uma cartilha que deve ser espalhada pelo mundo e lida todos.

    ResponderExcluir
  3. Giulia!
    Acredito que caremos de mais livros como esse, onde podemos discutir mais abertamente, principalmente com as crianaças, sobre o feminismo.
    E tão bom ver que gostou do livro.
    Vi críticas na TV porque achavam que as crianças não deveriam ser exposta a esse tipo de pensamento, vê se pode?
    “Uma pergunta prudente é metade da sabedoria.” (Francis Bacon)
    Cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  4. Oi, Giulia!!
    Que legal essa indicação de leitura!! Ainda não li nenhum livro da Chimamanda mas achei bem interessante ensinar como nos podemos criar crianças mais ciente do que é ser uma feminista.
    Bjss

    ResponderExcluir
  5. Uma amiga minha comprou e ficou super animada com a leitura.
    E agora fiquei curiosa sobre como a autora retrata essas lutas!
    Ainda mais depois de ler essa resenha e ver como você gostou bastante.
    E por ser bem curtinho também, parece ser uma leitura bem leve mesmo.
    Fiquei bem interessada e espero conferir em breve.
    Beijos
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho uma irmã mais nova e sempre tento fazer com que com ela tenha em mente que pode tudo é não se deixe intimidar. Lembro que muitas vezes a gente te ia no shopping e minha iram ficava revoltada quando via as estampas masculinas cheias de personagens legais e as das meninas só flores 😐 Não se pode negar que a linda Chimamanda veio para abrir os olhos da sociedade, ou pelo menos os força a enxergar algo que já está a muito tempo na cara da sociedade. Obrigada pelo post.

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Já conhecia a Chimamanda de um outro livro dela, mas achei bem interessante essa leitura, acho que é um grande desafio e responsabilidade você criar um filho e nunca tinha parado para pensar sobre isso, fiquei muito curiosa para poder ler e conhecer um pouco desse livreto e suas dicas !!

    ResponderExcluir

Que prazer em ter você aqui! Entre e sinta-se à vontade.
Se gostou do post (ou não), deixe um comentário. Sua opinião é muito importante pra melhorar cada vez mais o blog. =)