A Menina dos Olhos Molhados - Marina Carvalho

Resenha Livro A Menina dos Olhos Molhados

Bernardo ama o que faz, e faz bem. Ele trabalha na editoria investigativa de um renomado jornal desde estagiário e cada vez mais cresce na carreira, mas tem um pequeno defeito: não suporta trabalhar em equipe. Acostumado a cobrir assassinatos, corrupções e vários outros crimes, é em um dia como qualquer outro que recebe a mais difícil das missões: ser o tutor da estagiária peixe do chefão.

Rafaela chega de mansinho e logo mostra que não é só um rostinho bonito. Suas contribuições dão um toque especial às matérias, e até mesmo o teimoso do Bernardo tem que admitir que ela é boa. Seu sonho de ser jornalista não vai ser atrapalhado por um cara fechado que só sabe dar patadas. Ou vai?

Fato é que esses dois parecem gato e rato, sempre arrumando motivo pra brigas mesmo quando tudo à volta está perfeitamente bem. Mas é na convivência que eles percebem que por trás de tanta indiferença e implicância tá nascendo um sentimento capaz de mexer com os fantasmas do passado de ambos.

É a segunda vez na vida que encontro uma garota com esse tipo de olhar.

Se você, assim como eu, não leu Azul da Cor do Mar, não faça disso uma barreira. Dá super pra entender tudo: contexto, personagens, enredo e tal. Mas, se você puder ler o primeiro, vai ter uma noção melhor da história, naqueles pedaços em que a gente se pergunta "mas por que ela está agindo assim?". Talvez se eu ler a versão da Rafaela entenda um pouco suas motivações e medos. Mas o que conheci dela aqui não me fez ficar curiosa por outro POV da mesma história. Ela tem 21 anos e é bem imatura, o que seria normal pra idade se não fosse por algumas coisas difíceis de engolir.

Ele não fica muito atrás, principalmente no começo, quando parece reproduzir comportamentos e falas dignos de 5ª série. A narrativa alterna entre o presente e o passado, quando ele entrou na faculdade e conheceu a ex, que causou poucas e boas em sua vida. Esse é o grande tcham dessa versão, mostrar aos leitores o que aconteceu a ele pra ser fechado e "medroso" daquele jeito.

Resenha Livro A Menina dos Olhos Molhados

O romance não é rápido, mas não me soou tão crível, sei lá. Por serem colegas de trabalho eu esperava um pouquinho mais de resistência. E mesmo não sendo instalove eu duvidei da mudança tão profunda do Bernardo. Mas isso não impede a leitura de ser bem fluida e envolvente.

Sempre estranhei quando alguém afirma ver estrelas ou sentir uma corrente elétrica ao beijar outra pessoa. Para mim, essas declarações nunca passaram de exagero ou frases comuns em livros de amor. Mas acabo de comprovar que sensações como essas podem existir de verdade.

O enredo não é lá tão original, mas tem sua graça. Gostei bastante de ler sobre os bastidores de um jornal, coisa que não é muito abordada nos livros. A autora ainda colocou no início dos capítulos trechos do Código de Ética dos Jornalistas e do Manual de redação e estilo do Folha, o que trouxe mais veracidade à história.

Só teve uma parte que não curti mesmo. "Luciana é uma feminista enrustida, inofensiva, embora não esconda o prazer de ter quatro marmanjos sob seu domínio." Não entendi a necessidade de jogar feminismo fora de contexto e mal caracterizado.

Gostei da capa, achei delicada e condizente com o todo, mas se eu não soubesse do que se tratava nunca ia imaginar que era um livro narrado por um homem. De toda forma, me incomoda o fato de ser COMPLETAMENTE diferente do estilo de Azul (ok, foi publicado por outra editora, mas é da mesma autora, um complementa o outro, deveriam ficar juntos na estante só que não parecem "casalzinho" rs).

Prefiro a Marina no romance de época e já estou bem ansiosa pela continuação de O Amor nos Tempos do Ouro (#ficadica: se você não leu, vai na fé que é bem legal); na parte contemporânea acho que já deu pra mim.

Resenha Livro A Menina dos Olhos Molhados

A Menina dos Olhos Molhados - Marina Carvalho
Globo Alt
296 páginas
Livro cedido pela editora
Onde comprar: Submarino | Americanas | Saraiva | Amazon
Giulia Ladislau
26 anos. Filha do Rei. Carioca da gema. Aliança na mão esquerda. Pedagoga por formação, militar por profissão, revisora por paixão. Fascinada por livros desde quando nem se entendia por gente.

6 comentários

  1. Giulia, eu amei a capa, simplesmente bela. A história, pela maneira que você falou, parece narrar um pouco devagar. Porém, mesmo com a história sendo clichê eu gostei -meu ponto forte são os clichês-. E esse fato da autora ter usado o feminismo ao extremo deve ter deixado a leitura bem desagradável nesses momentos.
    Mas com certeza quero ler o livro, quero mais motivos por você ter dado apenas três estrelas e meia.

    ResponderExcluir
  2. Giulia!
    Gosto de livros que trazem passado e presente.
    Não gostei muito de saber que eles tem comportamento um tanto imaturos e que o romance mesmo não sendo daqueles instantâneos, não é tão crível.
    E esse negócio de incutir no enredo uma personagem feminista, nada haver, né?
    “Eu quase que nada não sei. Mas desconfio de muita coisa.” (Guimarães Rosa)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de FEVEREIRO, livros + KIT DE MATERIAL ESCOLAR e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  3. Nem sabia que essa obra tinha ligação com Azul da Cor do Mar.
    Mas se eu estou super curiosa a respeito desse livro?
    Sim, claro ou com certeza? rsrs
    AMO a escrita da Marina e estou louca pra conhecer mais essa história e O Amor nos Tempos do Ouro também.
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  4. Olá,

    Sempre tive curiosidade em conhecer a escrita da Marina, falam muito bem sobre ela, mas ainda não tive a oportunidade de ler nada dela :( Achei a capa desse livro maravilhosa, os tons de verde e cinza se misturaram com perfeição. Além de uma capa bonita, o livro tem uma premissa muito boa.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá apesar de ser uma trama genérica a história parece ser interessante por se tratar de relações de colegas de trabalho, algo pouco visto em livros. Uma pena que o feminismo seja apenas citado no livro, se a personagem agisse como tal haveria um saldo bem positivo em sua personalidade. Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Giulia!!
    Conheci esse livro o ano passado e fiquei bem curiosa para ler o livro da Marina mas quando descobrir que esse livro era continuação de outo livro fiquei tão triste que deixei para lá. Mas agora lendo sua resenha vi que não é tão necessário ler os livros em sequência!! Adorei a resenha e ela me instigou a ler esse e outro livros da Marina!!
    Beijoss

    ResponderExcluir

Que prazer em ter você aqui! Entre e sinta-se à vontade.
Se gostou do post (ou não), deixe um comentário. Sua opinião é muito importante pra melhorar cada vez mais o blog. =)