A fúria e a aurora - Renée Ahdieh

Resenha Livro A fúria e a aurora

Um estranho comportamento do califa de Rey tem deixado todo o reino preocupado e assustado. Todos os dias ele desposa uma jovem e na manhã seguinte ela é executada. Quando Sherazade perde sua melhor amiga, ela promete honrar a memória de Shiva e vingar-se de Khalid. Para isso, se voluntaria como esposa e tem todo um plano arquitetado para matá-lo.

Seu primeiro e maior desafio é sobreviver à primeira aurora. Como convencer o rei a não ordenar sua morte? Logo após a noite de núpcias, Shazi começou a contar uma história pra ele, mas propositalmente não a terminou, para que ele ficasse curioso e a deixasse terminar no próximo encontro. E assim, noite após noite, ela garantiu mais um dia de sobrevivência.

Só que não bastava sobreviver, ela precisava cumprir seu propósito de vingar Shiva e todas as outras jovens mortas pelo monstro. Além disso, seu coração balança por Tariq, melhor amigo e primeiro amor, que também deseja resgatá-la desse impulso maluco. Mas as coisas mudam, e o ódio vai dando espaço a outros sentimentos quando Shazi descobre o menino por trás do monstro.

Khalid tinha que responder por esses horríveis atos. Tantas mortes em sequência.
Mesmo que ele fosse o seu ar.
Mesmo que ela o amasse além das palavras.

Em uma releitura de As mil e uma noites, Renée nos conduz a um cenário ao mesmo tempo encantador e assustador. A história da rainha que usa a perspicácia pra driblar a ordem real e conquistar o coração do impiedoso rei atravessa gerações e é contada de várias maneiras atualmente. Dentre os contos, estão Aladim (presente no livro) e Ali Babá e os 40 ladrões.

Resenha Livro A fúria e a aurora

Desde a primeira cena fiquei curiosa pra entender qual era o mistério que cercava tantas execuções, e quando finalmente descobri voltei lá no comecinho pra ler e tudo fazer sentido. Aliás, assim que terminei tive vontade de reler tudo pra cada pista ser captada e encaixada na história. O início tem a medida certa entre instigar e informar, pra te deixar a fim de ler, mas sem revelar muito.

- Havia potencial para um bondade ilimitada no garoto que conheci. Acredite que o homem que você vê agora é apenas uma sombra do que está por baixo. Se você puder, dê a ele o amor que lhe permitirá ver por seus próprios olhos. Para uma alma perdida, esse tesouro vale seu peso em ouro. Vale seu peso em sonhos.

Como se passa nas bandas da arábia, vamos combinar que as coisas não são muito parecidas com as nossas, né? Então aquele monte de nome esquisito demorou um pouquinho a ser assimilado. Até eu me familiarizar com eles e relacionar quem era quem, Aí fiz o resuminho macete, colocando o nome e o papel lado a lado para ajudar quando a memória falhasse.

E o ponto que mais me incomodou foram as palavras em árabe (ou não, porque algumas procurei no Google Tradutor e não as encontrei) sem tradução. Poucas vezes logo depois da palavra havia o significado, na maior parte a gente tinha que se virar pra entender pelo contexto ou ignorar e seguir em frente.


Não sei se consta no original, mas aqui temos um triângulo amoroso que me deixou bem dividida. Vá lá que a narrativa é meio injusta; mesmo sendo em terceira pessoa, temos poucas informações sobre Tariq, já que o foco está nos acontecimentos posteriores à ida de Sherazade e pouco se fala sobre o início de sua adolescência. Tenho uma forte tendência de preferir os primeiros amores, mas dessa vez confesso que fiquei muito na dúvida de pra quem torcer. A situação parece estar quase definida quando uma reviravolta no desfecho me fez ficar sem torcer pra ninguém, tomara que o próximo me faça escolher um lado e que seja o certo, amém.

- Todas as minhas lembranças felizes são dela. Sofri ao seu lado. E... nós rimos juntos sem motivo.
- Um passado partilhado não lhe garante um futuro, meu amigo.

Ao contrário dos romances com os quais estamos acostumados, aqui a primeira vez não é nada romântica, pelo contrário, é um ato mecânico, repleto de frieza. Faz sentindo, afinal ela sabia que ia morrer no dia seguinte e para ele Sherazade era só mais um nome na sua lista de ex-esposas. Pensar em um relacionamento que começa fisicamente íntimo, mas emocionalmente distante deixou a aproximação deles ainda mais intrigante.

Ela estava se afogando em sândalo e luz do sol. O tempo deixou de ser mais do que um conceito. Seus lábios eram dela por um instante. E os dela eram de Khalid. O gosto dele na sua língua era como mel aquecido ao sol. Como água fresca deslizando na sua garganta sedenta. Como a promessa de todos os seus amanhãs em um único suspiro. Quando Sherazade passou os dedos por seus cabelos para trazê-lo para mais perto de seu corpo, ele parou para respirar, e ela sabia, e ele também, que estavam perdidos. Perdidos para sempre.
Nesse beijo.
Esse beijo que iria mudar tudo.

O relacionamento entre Khalid e Shazi passa por altos e baixos, mas nunca perde a sagacidade das respostas afiadas e das charadas nas entrelinhas. Ela é impetuosa, destemida e muito segura, do tipo que de cara não é simpática, mas depois se torna uma grande amiga. Já ele é a pedra bruta que precisa ser lapidada, mas são poucos os lapidários que percebem a beleza naquele material disforme. Ambos precisam de coragem para baixar a máscara e se tornar vulnerável; dessa forma conseguirão entender que são o complemento ideal um para o outro.

- Nunca foi uma questão de quem vai permitir que eu me comporte de determinada maneira; sempre foi uma questão de quem vai me impedir.

Ainda temos outros personagens importantes e cativantes. Jalal, primo do califa e capitão da guarda, me ganhou logo no começo, mas me deixou com a pulga atrás da orelha no final. Despina foi uma comédia do início ao fim, o toque de leveza que a história pedia. Peguei ódio do sultão, tio de Khalid, e espero que ele se ferre muito. E a família de Shazi é uma incógnita.

A magia não ganhou tanta força nesse primeiro volume, quase uma participação especial. Mas creio que em A rosa e a adaga teremos muito mais desse elemento tão precioso para o contexto. E sim, estou muito ansiosa por ele. Ainda bem que demorei a ler, só assim o tempo de espera será muito menor. Vem você também pra esse universo maravilhoso descobrir os segredos de Khalid e Sherazade!

Toda história tem sua própria história.

Resenha Livro A fúria e a aurora

A fúria e a aurora - Renée Ahdieh
Globo Alt
336 páginas
Livro cedido pela editora
Onde comprar: Submarino | Americanas | Saraiva | Amazon
Giulia Ladislau
26 anos. Filha do Rei. Carioca da gema. Aliança na mão esquerda. Pedagoga por formação, militar por profissão, revisora por paixão. Fascinada por livros desde quando nem se entendia por gente.

6 comentários

  1. Giulia!
    Gosto muito das releituras dos contos de fadas e ver aqui retratado As mil e uma noites, um conto árabe bem criativo em seu original e nessa releitura, tive a impressão que Sherazade não é tão inocente quanto parece e divide seu amor por dois...
    Sensacional.
    “Eu quase que nada não sei. Mas desconfio de muita coisa.” (Guimarães Rosa)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de FEVEREIRO, livros + KIT DE MATERIAL ESCOLAR e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Giulia, eu estava afim de ler esse livro desde quando vi os blogs começarem a divulgá-lo, e esse é o primeiro contato que estou tendo com ele. E como a Rudy, sou fascinada por releituras de contos de fadas e esse não podia ser diferente. A história em si me atraiu muito, e eu com certeza não ficaria dividida em quem eu gostaria que a Shazi ficasse, com certeza seria o Tariq, mesmo que depois de tempos de convivência ela descubra o homem por trás do ogro.

    ResponderExcluir
  3. Esse livro me conquistou desde o lançamento.
    Nem li ele ainda e já considero "pakas" haha
    A capa maravilhosa e a sinopse me chamaram demais a atenção.
    E o que falar da história? Parece ser incrível.
    Não conheço a escrita da autora ainda, mas tem cara de ser daquelas que conseguem prender o leitor e gosto disso.
    Sua resenha me deixou ainda mais interessada.
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  4. Olá, essa releitura é uma daquelas que deu super certo, a autora criou algo tão original em um cenário que gera curiosidade em qualquer um, é impossível não querer se aventurar por essas páginas. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Giulia!!
    Adoro releitura e essa principalmente por ser da história As mil e uma noites. Há muito tempo assisti um filme sobre essa história e fiquei encantada por ela!! Agora lendo a sua resenha lembrei desse filme e bateu a vontade de ler esse livro!!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  6. Olá,

    Nunca li nada sobre As mil e uma noites, sendo assim, caso fosse ler esse livro, para mim, seria algo totalmente novo. Vejo que há muita repercussão em torno dessa série, e confesso, estou bem curiosa para conhecê-la logo. As capas são lindas e recentemente foi lançado o segundo livro.

    ResponderExcluir

Que prazer em ter você aqui! Entre e sinta-se à vontade.
Se gostou do post (ou não), deixe um comentário. Sua opinião é muito importante pra melhorar cada vez mais o blog. =)