Novembro, 9 - Colleen Hoover

Resenha Livro Novembro, 9


Não há melhor data pra sair essa resenha, não é mesmo? Hoje é o dia em que Fallon e Ben estarão juntos, em um restaurante de Los Angeles, cumprindo o acordo de se encontrarem todos os dias 9 de novembro. Esse livro é um tanto peculiar: em 5 anos, sabemos só o que acontece com os personagens nesse dia específico. É uma data importante pra ambos separadamente e se torna ainda mais especial depois do primeiro 9/11 juntos.

Fallon tem metade do corpo coberto por cicatrizes de um incêndio. Por causa de sua aparência, acabou perdendo o contrato de atriz e agora luta pra se manter na carreira. Os problemas com o pai aumentaram e chegaram a um limite insustentável quando ele cisma em desincentivá-la a fazer testes. É aí que Ben entra, se fingindo de namorado pra bater de frente com o "sogro".

- Uma das coisas que sempre tento lembrar a mim mesma é que todo mundo tem cicatrizes. Muita gente tem umas ainda piores do que as minhas. A única diferenteça é que as minhas são visíveis e a da maioria das pessoas, não.

Mas ela está de mudança pra Nova York, e nesse único dia que resta eles descobrirão que um se sente tão bem na presença do outro que não podem deixar de estarem juntos. É aí que entra a proposta louca: todo dia 9 de novembro eles vão se encontrar. As condições? Cada um deverá cumprir a tarefa que o outro passou e no restante do ano estarão livres pra se relacionarem com outras pessoas.

Resenha Livro Novembro, 9

Falando assim parece esquisito, mas foi uma dinâmica que deu certo. Ele, estudante de escrita criativa, finalmente consegue vencer o bloqueio e começa a escrever um livro sobre a história dos dois. Ela adquire confiança e se aceita melhor. Mas se fosse fácil não seria tia Colleen, e essa mulher gosta de enfiar a mão no nosso coração e ir esmagando aos pouquinhos pro sofrimento durar. Regina feelings

A única coisa em que não poderia ter sido mais sincero foi sobre sua beleza. E, sim, você tem cicatrizes. Mas quem vê suas cicatrizes antes de ver você não a merece. Espero que você se lembre disso e acredite. Um corpo é simplesmente uma embalagem que guarda os verdadeiros dons que contém. E você é cheia de dons. Altruísmo, gentileza, compaixão. Todas as coisas que importam.

Os pulos de ano em ano me causaram sentimentos contrários. Ao mesmo tempo que eu ficava me roendo de curiosidade pra saber o que aconteceu nos outros 364 dias, o alívio era imenso em poder continuar a história com a interação dos dois, sem aquela enrolação até o próximo momento importante. Só sei que fluiu tão bem que me tirou de uma ressaca braba e me fez devorar em 2 dias (isso porque eu tinha que ir à igreja em um deles).

As histórias da Colleen me cativam tanto por serem reais, críveis, com aquela carga emocional densa que desestrutura e reconstrói de novo. Você consegue sentir a alegria e o desespero dos personagens, sofrer com o paradoxo de querer aproveitar aquele curto momento juntos, mas ao mesmo tempo sofrer de saudade antecipada.

Você nunca vai conseguir se encontrar se estiver perdida em outra pessoa.

A narração intercalada foi ótima porque nos ajudou a ver os dois lados, enxergando os sentimentos e percebendo a má interpretação de cada um. Deu vontade de socar a parede em alguns momentos de tanta raiva e frustração. Não aguento esses casais que ficam fazendo joguinho pra não falar o que sentem e ferram com tudo! Mas quem nunca?

Aaaaaaaaah! Falando em personagens... surpresa!!! O casal de O Lado Feio do Amor (Ugly Love) aparece aqui bem rapidinho, sem nenhuma participação importante, mas foi tão legal ver como ficaram Tate e Miles depois do livro. *-* Quando eu li dei um berro de alegria!

Por que você não me contou que a base na qual me ensinou a ficar de pé é de areia movediça?

A sacada genial foi já em uma cena bloquear as possibilidades de comparação com outras histórias. Ela inclusive cita Um dia, com enredo parecido, mas mostra as diferenças e apresenta o diferencial da sua trama. Não li o livro do Nicholls, não posso opinar, mas se você já leu me diz aí se parece mesmo.

Resenha Livro Novembro, 9

A parte ruim foi a revisão. Pelamor, a Galera mandou muito mal! Teve uma frase que eu não consegui entender de tão mal construída. Tinha erros bizarros como "os problema". Uma pena que esse descaso seja constante nos livros da editora. :(

Se você, leitor do blog, ainda não sabe, CoHo é minha escritora favorita! Qualquer coisa que sair com o nome dela na capa eu vou querer ler. Ela é mágica, tem o dom de fisgar o leitor desde a primeira linha e mantê-lo preso até a última página, quando o livro termina e a necessidade de mais começa. É como um vício. Eu AMEI todos os livros dela, são maravilhosos!

Continuo não mostrando a ninguém as coisas que escrevo. É quase como dizer cada pensamento em voz alta. Algumas coisas não são para consumo público.

E mais uma vez eu termino com a certeza de que não consegui expressar metade do que eu senti. Se você tiver que guardar só uma coisa dessa resenha, foca: LEIA QUALQUER COISA DA COLLEEN HOOVER! E não deixe de incluir Novembro, 9 na sua lista.

Resenha Livro Novembro, 9

Novembro, 9 - Colleen Hoover
Galera Record
352 páginas
Livro cedido pela editora
Onde comprar: Submarino | Americanas | Saraiva | Amazon
Giulia Ladislau
26 anos. Filha do Rei. Carioca da gema. Aliança na mão esquerda. Pedagoga por formação, militar por profissão, revisora por paixão. Fascinada por livros desde quando nem se entendia por gente.

4 comentários

  1. ai ai ai, queroooo! Enquanto lia o início da resenha lembrei de "Um Dia", depois vc citou e fiquei com mais vontade *-* "Por que você não me contou que a base na qual me ensinou a ficar de pé é de areia movediça?" Que frase de impacto é essa? Já tô me vendo chorando litros nesse livro :P besos! :*

    ResponderExcluir
  2. Oi, Giulia!
    A ideia do livro me lembrou bastante "Um Dia", que tem essa mesma coisa de mostrar o que acontece com os personagens em um data específica todo ano.
    Eu já tinha ouvido falar desse livro, mas toda vez que vejo essa data só penso na queda do muro de Berlim. kkkkkkkkkk
    Então eu vi a capa pensando em uma coisa, quando a história é toda outra. Falha minha.
    Eu não sei se vou ler, mas existe uma chance já que gostei tanto de "Um Dia" e acho que a dinâmica pode ficar bem legal.
    Beijo

    Canastra Literária | Facebook | Twitter

    ResponderExcluir
  3. Também sou muito fã dos livros da autora.
    E apesar de me sentir forte,os livros de Colleen Hoover me deixam em muitos trechos completamente emocionada e apaixonada pelos personagens principais.

    Eita,mais um livro super, hiper desejado. ;) 💖

    ResponderExcluir
  4. Oi Giulia,
    Os livros da Colleen Hoover são sempre viciantes e angustiantes. Amo essa autora, ela também é uma das minhas favoritas, eu surto completamente quando é anunciado um lançamento, fico na espera de sofrer e me angustiar com suas histórias.
    Ainda não li Novembro, 9, mas estou completamente cativada e envolvida por esse livro, a autora sabe criar uma história dramática, emocionante e apaixonante na medida certa. Quero muito ler esse livro com essa história reflexiva, tocante, repleta de recomeços e reviravoltas.
    Beijos

    ResponderExcluir

Que prazer em ter você aqui! Entre e sinta-se à vontade.
Se gostou do post (ou não), deixe um comentário. Sua opinião é muito importante pra melhorar cada vez mais o blog. =)