Um Mundo Melhor - Marcus Sakey

Esta resenha pode conter spoiler do primeiro livro da série.
Brilhantes

Resenha Livro Um Mundo Melhor

Depois de um final eletrizante em Brilhantes, Nick Cooper acha que o mundo finalmente acalmará, já que toda a verdade fora revelada. Mas ataques terroristas começam a acontecer, prejudicando gravemente 3 cidades dos Estados Unidos ao interromper o abastecimento de comida e o fornecimento de energia elétrica. Os Filhos de Darwin atacam sem piedade e fazem questão de mostrar que vieram para tirar a paz.

O novo presidente dos EUA convoca, então, Cooper pra ser seu assessor. E por causa dessas investigações ele precisará encarar novamente dois dos mais geniais brilhantes do mundo: John Smith, recém-absolvido de uma condenação, e Erik Epstein, fundador e mantenedor da Comunidade Nova Canaã, um refúgio para anormais de todo o país, de onde saem as mais inovadoras tecnologias.

Mesmo se esforçando todo dia para fazer o que era certo, trabalhando para criar um mundo melhor para seus filhos, Cooper cometera erros imperdoáveis e causara sofrimento inimaginável. E, enquanto isso, apesar de todos os esforços de sua parte, a cada dia o mundo ficava mais complicado, a solução ficava mais longe do alcance. Estava, realmente, ficando mais difícil de acreditar.

Mas nem tudo acontece como Cooper imaginava. No decorrer das investigações, ele descobrirá novos segredos, precisará novamente proteger a família, terá que lidar com seus sentimentos (alerta triângulo amoroso) e descobrir que uma ação pode causar reações de proporções incontroláveis.

Sakey mais uma vez provou que sua escrita é altamente instigante e viciante. Ele não perdoa e já começa com uma cena de arrepiar. Os momentos de calmaria são só pra contextualizar e te dar um tempinho pra respirar e se preparar pra mais uma onda de pancada. Aquelas cenas bem escritas, que te levam pra dentro da história e te deixam com um friozinho na barriga com medo de dar errado. Em todo tempo fiquei tentando adivinhar o que ainda não tinha sido revelado, querendo juntar as peças daquele quebra-cabeça que começou lá atrás. Cabeça a mil até nas pausas da leitura.

Resenha Livro Um Mundo Melhor

Se você, como eu, leu o primeiro há algum tempo, pode pegar o segundo sem medo. Eu nem li a resenha que escrevi, só fui virando as páginas e lembrando o enredo de acordo com as deixas que o livro trazia. Não fiquei perdida hora nenhuma. Quando aparecia algum personagem antigo, rapidamente vinha um resumo que ajudava a recordar os acontecimentos de Brilhantes, tudo de forma natural, bem encaixadinho na história.

Cooper continuou sendo o personagem que eu admirei, por suas escolhas, ideais e postura tão bem alinhadas e compatíveis com seu caráter. Ele é a representação daquilo que a gente queria ser, o cara que age de acordo com o que é certo mesmo que as consequências possam ser ruins, e faz de tudo para que o bem prevaleça.

- Nós cometemos erros? Com certeza. Sem dúvida. Mas a gente estava lutando do lado dos mocinhos. Eu sei disso, e você também. E agora você tem uma escolha. Pode se sentar no chão [...] ou pode tentar uma última vez, não importando que as chances sejam mínimas, fazer um mundo melhor. É com você, Nick, realmente é. Ninguém poderá culpá-lo, não importa o que decida.

Aliás, bem contra mal, certo contra errado, altruísmo contra egoísmo, essas são discussões que permeiam toda a narrativa. Há um jogo de poder que norteia o enredo, todos em busca de construir a sua própria visão de um mundo melhor, ainda que pra isso seja preciso desconsiderar o outro lado. Não é mais ou menos o que a gente vive hoje na política?

Uma sacada muito legal são os conteúdos entre os capítulos. É como se pegassem materiais do universo da história e colocassem ali, como quem não quer nada. Não contribuem diretamente para a trama, mas ajudam a entender o comportamento da sociedade (normais e anormais), suas formas de relacionamento, tecnologias, expectativas... A cada fim de capítulo eu ficava ansiosa por aquele bônus e muito decepcionada quando não tinha.

Resenha Livro Um Mundo Melhor

A "pior" parte da leitura foram os cliffhangers. A narração em terceira pessoa possibilita abranger diferentes núcleos e visões. Eu ia acompanhando Cooper, nervosa junto com ele, tensa, coração batendo rápido, aí quando chegava na melhor parte o capítulo acabava e começava um novo mostrando um personagem totalmente diferente, em um momento super de paz. Dava vontade de pular aquele e continuar lendo sobre Cooper, mas respirava fundo e ia. Até que me envolvia com aquele personagem e na melhor parte... corta! Vem mais outro. Essa agonia foi no livro todo! hahahaha!

E se eu achei que Brilhantes terminou desesperador é porque ainda não tinha lido Um Mundo Melhor. Como assim aquele final? O que acontece depois? Pelamor, gente! Não se pode fazer isso e deixar minha curiosidade em espera por um ano!

A liberdade é algo pelo qual você precisa lutar para conquistar, não uma vez, mas todo dia. A natureza da liberdade é ser fluida; como água em um balde furado, a tendência é se esvaziar.

Se rolou algum erro de revisão, eu sinceramente não vi. Minha cabeça estava totalmente focada na história. A capa manteve o padrão da primeira, totalmente diferente da edição de qualquer país. E não tem como não reparar no trabalho de tradução, especialmente naquelas partes entre os capítulos.

Faça um favor a você mesmo e leia essa trilogia. Vem ficar desesperado que nem eu pelo desfecho e viciado nesse mundo fantástico com que Sakey nos presenteou.

Resenha Livro Um Mundo Melhor

Um Mundo Melhor (Brilhantes #2) - Marcus Sakey
Galera Record
420 páginas
Livro cedido pela editora
Onde comprar: Submarino | Americanas | Saraiva | Amazon
Giulia Ladislau
26 anos. Filha do Rei. Carioca da gema. Aliança na mão esquerda. Pedagoga por formação, militar por profissão, revisora por paixão. Fascinada por livros desde quando nem se entendia por gente.

11 comentários

  1. Uau, essa história realmente promete ser cheia de aventuras e reviravoltas e terminei de ler a resenha cheia de curiosidade sobre ela. Só me preocupam duas coisas, o triângulo e os cliffhangers, esse último mais que tudo, pois a ansiedade é meu ponto fraco e me deixa puxando os cabelos rsr. Pela resenha deu pra perceber que essa trilogia te pegou de jeito e se eu tiver uma oportunidade pra ler, vou me jogar e espero me envolver bastante também ;)

    ResponderExcluir
  2. Uau o enredo te tirou o fôlego!
    Enquanto lia a resenha dava a impressão que estava lendo a sinopse de um filme.
    E o grande problema de trilogias, é o de começar a ler antes de ter sido lançados todos os livros...
    Vai sofrer de curiosidade por mais um tempo! rs

    ResponderExcluir
  3. Oi!
    Assim que lançou o primeiro livro dessa serie fiquei bem curiosa mas acabou que passou e não li, parece que esse segundo livro e cheio de ação é com uma trama surpreendente e fiquei muito curiosa sobre esse conteúdos entre os capítulos que parece ser bem interessante, essa serie está na minha lista de leitura !!

    ResponderExcluir
  4. Depois desse lançamento esses livros estão fazendo muito sucesso.
    Parabéns pela resenha, esta excelente como sempre
    Percebo que é uma trama cheia de reviravoltas e esperança, com uma escrita ágil que sabe descrever bem a cena, os personagens com certeza irão me conquistar, já amei o jeito de Cooper. O único ponto que acho que também não gostaria são os cliffhangers, que me deixam mega curiosa e talvez até façam eu dar aquela mini ''espiada'' nos outros capítulos

    ResponderExcluir
  5. Giulia!
    Uma ficção bem escrita e que prende a leitura é sempre bemvinda.
    Não li Brilhante, porém tenho muita vontade, ainda mais agora sabendo que a continuação vai no mesmo estilo e chama a atenção também. Gosto de livros onde as personagens tem poderes e quando tem intrigas ainda melhor.
    “Educar é semear com sabedoria e colher com paciência.” (Augusto Cury)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de SETEMBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  6. Eu ainda não tinha ouvido falar desse livro, nem do primeiro.
    A história parece ser bem interessante, e eu gosto de livros que nos deixam curiosos sobre o que irá acontecer.
    Beijos, Aline
    Verso Aleatório

    ResponderExcluir
  7. Nossa, eu sei bem quando se sente em relação a mudança de pontos de vistas de personagens em capítulos. Acabei uma leitura desse tipo ontem a noite e sempre dava vontade de pular pros personagens que eu mais gosto hahaha. Essa é a terceira resenha que leio desse livro e cada vez me sinto mais curiosa. To ansiosa e olha que nem li resenhas do primeiro. A história parece ser muito bem articulada e acho isso super importante em livros do gênero.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Giulia,
    Conheci essa trilogia há pouco tempo, e apesar de não gostar muito de histórias com uma trama política, confesso que fiquei bem interessada em ler ambos os livros já publicados. Adoro uma história cheia de reviravoltas, isso torna a leitura surpreendente do inicio ao fim, sem falar que impossibilita largar o livro até o final. Vou aguardar ansiosamente o lançamento e resenha do último livro, para ver se vale a pena o investimento.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Amo tramas assim! Não tinha ouvido falar dessa trilogia mas achei muito interessante, além de as capas por si só serem um atrativo à parte. Acho que eu também me incomodaria com os cliffhangers, The 100 também é cheio de ação e não gosto das freadas bruscas que dá quando troca de narrador.

    ResponderExcluir
  10. Giulia que livro é esse eim? Aliás que série, porque ter a brilhante (olha o título) ideia de colocar elementos sobre a sociedade sobre as leis e coisas a mais de como funcionam a estrutura do mundo do livro entre um capítulo e outro enriqueceu e muito a escrita, percebe-se que o autor sabe do que está falando, de como ele pensou em cada detalhe para que não fôssemos jogados num mundo sem regras e sem sabermos bem do que se trata. As capas estão belíssimas fico imaginando onde vai dar cada rua traçada pela capa! Já quero ler com certeza!

    ResponderExcluir
  11. Desde quando foi lançado o primeiro livro, estou querendo ler. Adoro distopias e essa parece fugir das outras e não ter clichês. Fico feliz e mais animada de descobrir que o segundo livro não decepciona. Sua resenha me deixou mais ansiosa do que já estava!

    ResponderExcluir

Que prazer em ter você aqui! Entre e sinta-se à vontade.
Se gostou do post (ou não), deixe um comentário. Sua opinião é muito importante pra melhorar cada vez mais o blog. =)