Sem olhar para trás - Lycia Barros

Agatha está cansada da vida que leva ao lado de Bruno. Enquanto só ela servia de saco de pancada para as frustrações do marido, aguentava calada e passiva, mas quando viu seu filho sofrendo entendeu que era hora de mudar. A herança de uma tia distante, uma casa humilde dentro de um sítio na pacata Rio Preto, não poderia ter vindo em melhor hora. Agindo na surdina, ela se desvinculou de tudo que a ligava ao seu agressor e fugiu para o interior.

Se não fosse pelo filho, ela seria totalmente sozinha no mundo, já que afrontou os pais para fugir com Bruno e os viu morrer sem perdoá-la. Juntos, Agatha e Gabriel precisam se acostumar a um novo estilo de vida, bem mais simples do que os luxos proporcionados por Bruno. O menino não terá mais toda a tecnologia à qual tinha acesso, ela vai ter que aprender a cozinhar, cuidar de animais e da terra e, talvez o mais difícil, se amar.

Que tipo de menino criado numa cidade grande, com todos os recursos, encararia aquele casebre decrépito como uma benção? Um menino infeliz, com certeza. Um menino que passara a vida inteira com muito medo, mas que agora via alguma esperança no fim do túnel.

Logo que chega à nova cidade, conhece o dono da pousada local, um homem solteiro, bonito e benquisto. Vicente veste a camisa da indiferença para não revelar o quanto Agatha o abala, mas rapidamente se deixa ser encantado pela recém-chegada. Entre queijos, doces e cavalos, surgirá um sentimento que será posto à prova várias vezes.

O maior desafio de Agatha é se libertar dos arrependimentos do passado. Já Vicente precisa permitir que alguém o ame depois do que aconteceu. E Gabriel? Esse fofo é daquelas crianças super resilientes, que encaram a vida com otimismo, enxergando o lado bom das coisas.

Quando você ora por alguém, traz a pessoa para o alcance dEle, quer ela queira ou não.

Depois de amar a trilogia Uma Herança de Amor e achar mais ou menos O que eu quero pra mim, esperei muito desse livro. Não que tenha sido ruim, mas creio que foi questão de expectativa mesmo. A história é previsível, com um delineado fácil de ser percebido já no começo. A gente vai lendo e entendendo exatamente onde a autora queria chegar, sem grandes surpresas durante o caminho.

O romance tem um gostinho especial por causa de Vicente. Ele não apenas quis conquistar Agatha, mas também desenvolveu um carinho enorme por Gabriel, oferecendo proteção e amor para duas pessoas carentes de uma figura masculina de caráter. Só achei um tanto rápida a confiança que Agatha depositou em desconhecidos, ainda mais depois de viver um inferno por conta da impulsividade de fugir de casa.

Sou cristã e não me incomodo com livros com essa abordagem, mas dessa vez os discursos religiosos ficaram meio maçantes. Nessa parte me enganei, pois pensei que outro personagem seria responsável pela mudança de rumo ou que os valores cristãos fossem inseridos aos poucos, no cotidiano. Como história pode não ter sido a melhor opção, mas considero totalmente crível o que aconteceu. Creio em um Deus que opera milagres na vida daqueles que creem.

- Se não fosse todo esse sofrimento, será que algum dia eu entenderia isso? São momentos como esse que nos dizem que precisamos dEle. Quando as coisas vão bem, não nos movimentamos para ter uma vida espiritual. São as aflições que nos ajudam a buscar a fé. E isso, sim, deveria ser a coisa mais importante para nós; afinal, essa vida é passageira, e é a fé que nos conduzirá à eternidade.

Senti falta de uma profundidade maior em algumas cenas. Algumas coisas pareceram jogadas só pra constar, outras foram meio desnecessárias... A história poderia ter sido mais densa, melhor trabalhada, com menos previsibilidade. Acredito que o fato de a autora não ter vivenciado a violência doméstica - graças a Deus - tenha deixado a narrativa menos densa, a gente consegue perceber quando tem um quê de experiência pessoal na escrita.

Preciso destacar dona Gema e seu Pedro, um casal de senhores que excedem os níveis permitidos de fofura. Ela trabalha pra Vicente na pousada, intrometida que só, mas com aquela sagacidade que a experiência traz. Ele ajudava a tia de Agatha no sítio, totalmente dedicado e honesto. Quero dois velhinhos assim do meu lado pra já!

Gostei do trabalho da Valentina, tanto na parte de revisão como na capa e diagramação. Eles costumam fazer bons trabalhos, e dessa vez não foi diferente.

Sempre gosto de livros com temas fortes, que extrapolam o entretenimento e servem de ajuda, alerta, reflexão. Por isso recomendo a leitura, mas sugiro que vá despretensioso, sem grandes expectativas como eu.

Sem olhar para trás - Lycia Barros
Valentina
256 páginas
Livro cedido pela editora
Onde comprar: Submarino | Americanas | Saraiva | Amazon
Giulia Ladislau
26 anos. Filha do Rei. Carioca da gema. Aliança na mão esquerda. Pedagoga por formação, militar por profissão, revisora por paixão. Fascinada por livros desde quando nem se entendia por gente.

6 comentários

  1. É... A violência doméstica não deve ser fácil. Acho que depois de sofrer um drama desse,toda vítima de maus tratos,seja de qual tipo for ,não confia nas pessoas facilmente.
    Infelizmente à vida real é muito mais difícil. Não aparece como que caído do céu uma casa para refazer a vida.
    Sei lá,ando um pouco descrente com algumas coisas e talvez por essa razão mão tenha gostado muito dessa trama.

    ResponderExcluir
  2. Eu nunca li nada da autora. Os livros dela têm uma pegada mais religiosa, né? Eu tenho certo receio de ler historias assim,mas a sinopse é boa. Pode ser que eu leia, mas no momento não é prioridade

    ResponderExcluir
  3. Apesar de ainda não ter lido nada da autora, já li algumas resenhas positivas de seus livros e gostei da capa,da sinopse e do pequeno resumo do livro, já quero me mudar pra uma cidade pequena e conhecer o dono de uma pousada também rsr. A história realmente parece previsível e é uma pena que isso tenha afetado, junto com a falta de profundidade do assunto, a sua nota do livro, no entanto, eu gosto de previsibilidade as vezes, pois em geral vem cheio de clichês e romance e vou fazer como vc disse se tiver a oportunidade de ler, ir sem expectativas :)

    ResponderExcluir
  4. Oi Giulia,
    Adoro um romance com um bom drama, onde os protagonistas têm traumas, pois gosto de acompanhar a superação e os recomeços, essas histórias sempre trazem boas reflexões e isso sempre me cativa numa leitura. Mas confesso que não fiquei tão atraída por esse livro, essa falta de profundidade em algumas cenas e a sensação de que a história poderia ter sido mais trabalhada, prejudica um pouco. Sem falar na história previsível, isso incomoda às vezes. Quem sabe dou uma chance ao livro mais pra frente.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Gostei bastante da história do livro, nunca li nada dessa autora, mas para essa Bienal fiz uma promessa: vou comprar apenas obras nacionais. Sem Olhar Para Trás já está na minha listinha!
    Adoro personagens idosos e fofos, me apaixono fácil por qualquer um! Haha ♥
    A situação pela qual a personagem está passando não é nada fácil, e é bonito ver como irá dar a volta por cima nessa nova cidade. Entretanto, senti falta de aprofundamento na questão da violência dentro do lar, precisava de mais foco e não apenas de Agatha mas sim denunciando esse marido.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Ainda não li nada da autora mas gostei muito da historia, gostei do tema que ela explora nesse livro e principalmente essa face de superação e de seguir em frente que a personagem passa, espero que ela desenvolva bem essa parte e fiquei curiosa para saber mais sobre esse romance e parece ser muito fofo e lindo, esse livro está na minha lista de leitura !!

    ResponderExcluir

Que prazer em ter você aqui! Entre e sinta-se à vontade.
Se gostou do post (ou não), deixe um comentário. Sua opinião é muito importante pra melhorar cada vez mais o blog. =)