{ no cinema } Kung Fu Panda 3


Kung Fu Panda 3

Estreia: 25 de fevereiro de 2016
Gênero: Animação / Comédia / Aventura
Classificação: 14 anos
Duração: 1h35min
Diretor: Jennifer Yuh / Alessandro Carloni

Quando o pai perdido de Po reaparece de repente, a dupla viaja a um paraíso secreto dos pandas, conhecendo assim hilários novos personagens. Mas quando descobre que o vilão sobrenatural Kai está percorrendo a China para acabar com todos os mestres do Kung Fu, Po deverá realizar o impossível: treinar um vilarejo repleto de irmãos divertidos, amorosos e desajeitados para que eles tornem-se os mais poderosos Kung Fu Pandas!



“Paz interior... Paz interior”. Po, o dragão guerreiro, ouve essa frase desde que começou o contato com o kung fu de seu mestre Shifu. Junto com seus companheiros Tigresa, Louva-A-Deus, Garça, Macaco e Víbora, eles são idolatrados pelo povo residente na vila local por estarem sempre à frente de batalhas e guardarem a vila e o Palácio de Jade, casa e local onde os mestres treinam o kung fu.


Depois de enfrentar a vingança de Tai Lung e a fúria de lorde Chen, o panda mais estabanado precisará de muita ajuda. Mas dessa vez a luta é mais difícil. O Filme 3 da série já começa em uma dimensão que quem assistiu os outros dois filmes consegue entender. Oogway, antigo mestre do palácio de Jade, está em plena paz interior no mundo dos espíritos quando é surpreendido por um antigo inimigo que quer dominá-lo para retornar ao mundo dos mortais e assumir o poder. Trava-se uma luta entre eles e a partir daí é fácil prever como será o desenrolar da história com esse vilão.

Enquanto isso, no palácio de Jade, o lendário mestre Shifu anuncia que a partir daquele dia Po será o mestre dali. Já da até pra imaginar como foi a aula de Po, né? Mas, se os Cinco Furiosos se sentiram desapontados com o desempenho de Po como professor, deixaram de lado e correram pra defender a vila de um ataque de capangas do vilão.

E o que era pra ser um momento de decepção acaba se transformando em uma cena emocionante.  Po perdeu o record de pasteis na boca pra nada menos que outro panda, que por coincidência era seu pai. A sala de cinema se enche de um sentimento conflitante: de um lado, a felicidade do reencontro; do outro, o ciúme de Sr. Ping, o pai ganso.

Po vai precisar assumir sua identidade panda para se preparar para a luta contra o vilão. Os pergaminhos mostram que só o poder chi é capaz de derrotar um inimigo do mundo dos mortos, e os pandas são os especialistas, que ensinaram ao mestre Oogway. É assim que seu pai o convence a ir para a vila dos pandas para aprender essa técnica milenar, desagradando totalmente o Sr. Ping. E aí a tela é invadida por uma fofura nível master, com muitos, muitos pandinhas.

O filme em si consegue prender nossa atenção pelo fato de misturar a milenar cultura chinesa e as trapalhadas do urso. Muito legal ver o cuidado da produção com os vários elementos sobre a China e o próprio kung fu, e isso foi refletido na quebra de recordes de bilheteria nos cinemas chineses. Uma curiosidade: Kung Fu Panda 3 foi o primeiro filme realizado na Oriental DreamWorks, sede da empresa inaugurada em 2012 na cidade de Xangai.

Não importa a faixa etária, todos irão gostar e dar boas risadas, inclusive nas cenas mais sérias. O filme agrada bem as crianças, mas também encanta os adultos, se transformando em uma ótima opção de programa pra família. Claro que é melhor assistir primeiro aos dois primeiros filmes - até porque são tão hilários quanto -, mas quem não assistiu vai acabar entendendo tudo conforme a história for se desenrolando, mesmo que fique um pouco perdido no começo.

Assim como em todo filme infantil, há a "moral da história", e daqui podemos extrair bastantes lições. Desde o primeiro temos visto como é importante transpor nossos próprios limites, quebrar paradigmas e superar as dificuldades que nos são impostas. Uma das frases mais marcantes é "Se você só fizer o que sabe, nunca será mais do que você é agora."

Além disso, à semelhança do Mestre dos Magos, Oogie deixou o legado de ensinar por frases misteriosas, e Shifu aprendeu direitinho. Com ele, Po aprende que não devemos almejar ser quem não somos, e sim potencializar o que já sabemos.

Eu não tenho que lhe transformar em mim, eu só tenho que lhe transformar em você mesmo.

Lúcio Mauro Filho continua fazendo a voz de Po na dublagem brasileira, a diferença é que agora ele contracena com seus filhos, que fazem as vozes dos pandinhas da vila. Outra novidade são o vlogueiro Christian Figueiredo e ex-MasterChef Jiang Pu numa participação bem rápida nas vozes dos gansos.

Gargalhadas do início ao fim, fofura em doses elevadas e uma boa lição pra todas as idades.
Filme recomendadíssimo!!!

Giulia Ladislau
26 anos. Filha do Rei. Carioca da gema. Aliança na mão esquerda. Pedagoga por formação, militar por profissão, revisora por paixão. Fascinada por livros desde quando nem se entendia por gente.

Um comentário

Que prazer em ter você aqui! Entre e sinta-se à vontade.
Se gostou do post (ou não), deixe um comentário. Sua opinião é muito importante pra melhorar cada vez mais o blog. =)