Um Beijo Inesquecível - Julia Quinn

Esta resenha NÃO contém spoilers dos livros anteriores.
O Duque e Eu
O Visconde que me Amava
Um Perfeito Cavalheiro
Os Segredos de Colin Bridgerton
Para Sir Phillip, Com Amor
O Conde Enfeitiçado


Título: Um Beijo Inesquecível (Os Bridgertons #7)
Autora: Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Nº de páginas: 272
Onde comprar: Submarino | Saraiva | AmericanasCasas Bahia
Nota:

Toda a alta sociedade concorda que não existe ninguém parecido com Hyacinth Bridgerton. Cruelmente inteligente e inesperadamente franca, ela já está em sua quarta temporada na vida social da elite, mas não consegue se impressionar com nenhum pretendente.
Num recital, Hyacinth conhece o belo e atraente Gareth St. Clair, neto de sua amiga Lady Danbury. Para sua surpresa, apesar da fama de libertino, ele é capaz de manter uma conversa adequada com ela e, às vezes, até deixá-la sem fala e com um frio na barriga.
Porém Hyacinth resiste à sedução do famoso conquistador. Para ela, cada palavra pronunciada por Gareth é um desafio que deve ser respondido à altura. Por isso, quando ele aparece na casa de Lady Danbury com um misterioso diário da avó italiana, ela resolve traduzir o texto, que pode conter segredos decisivos para o futuro dele.
Nessa tarefa, primeiro os dois se veem debatendo traduções, depois trocando confidências, até, por fim, quebrarem as regras sociais. E, ao passar o tempo juntos, eles vão descobrir que as respostas que buscam se encontram um no outro... e que não há nada de tão simples – e de tão complicado – quanto um beijo.

Ah, Hyacinth! Você me surpreendeu. A menina tagarela que vivia perturbando os irmãos finalmente teve seu merecido destaque. E sabe junto com quem? Lady Danbury, a idosa com a língua mais afiada da sociedade londrina, que teve participação especial na história de Colin e Penelope. Ela sempre aparece, mas aqui tem um papel fundamental.

Por ser a mais nova da família Bridgerton, Hyacinth quase nunca aparecia, sempre nova demais pra participar das conversas. Nos últimos livros a gente começou a ver que ela existia, com pequenas aparições, mas jamais parei pra pensar em como ela se sentia nessa posição. Não que algum dos irmãos a ignorava ou desprezava, pelo contrário, essa família só tem amor, mas o papel de caçula pesa, ainda mais por não ter conhecido o pai. E não fazia ideia de como isso pesava pra ela e também pra sua mãe.

Havia muito tempo, a mãe deixara a sutileza de lado quando o assunto era a solteirice da quarta e última filha. Tinha se transformado numa cruzada pessoal, pensou Hyacinth soturnamente. Esqueçam Joana D'Arc. Nem praga, peste ou amante pérfido desviariam Violet de Mayfair do objetivo de ver os oito filhos casados e felizes. Restavam apenas dois: Gregory e Hyacinth, embora ele tivesse apenas 24 anos, uma idade considerada aceitável (um tanto injustamente, na opinião da caçula) para um cavalheiro permanecer só.
Mas Hyacinth com 22 anos?

Essa questão da paternidade também afeta Gareth, mas de um jeito bem diferente. Depois de 18 anos sendo desprezado e maltratado pelo pai, ele descobre que é um bastardo. Ou ele faz as vontades daquele que o criou ou não terá mais o apoio financeiro e os estudos pagos. Só que, mesmo desobedecendo, o barão não pode deserdá-lo, visto que fazê-lo é o mesmo que assumir ter sido traído. Já tendo perdido a mãe e seu único irmão, Logo Gareth corre pra avó materna, a nossa querida Lady Danbury.

Era bem provável que vencesse a discussão. Raramente havia um homem - ou mulher - mais espirituoso, articulado ou bom de debate do que Hyacinth Bridgerton.
[...]
Jamais conhecera alguém como Hyacinth Bridgerton. Era vagamente divertida, vagamente irritante, mas não se podia deixar de admirar quanto era espirituosa.

Hyacinth está quase sendo considerada uma solteirona. Sua língua afiada e seu humor irônico assustam de longe, mas logo conquista Lady D, afinal são muito parecidas. Elas se encontram todas as terças para ler romances, e é em uma dessas tardes que Gareth vai visitar a avó e passa a ser visto por Hy de forma diferente. Ele precisa traduzir o diário de sua outra avó, escrito em italiano, e ela se oferece para o serviço. Entre palavras desconhecidas, bailes enfadonhos e caça ao tesouro, eles se aproximam, vivem algumas aventuras e descobrem que o amor bate à porta quando a gente menos espera.

- Nenhum homem gosta de mulheres mais inteligentes que ele - um dos amigos mais sacazes comentara. - E Hyacinth Bridgerton não é do tipo que se faça de tola.
Gareth havia pensado em mais de uma ocasião que ela era uma versão mais jovem de sua avó. Apesar de não haver ninguém que ele adorasse mais do que a vovó Danbury, achava que o mundo só precisava de um exemplar.

Depois de Colin/Penelope e Simon/Daphne, esse é o casal de que mais gostei. Hyacinth se revelou muito mais interessante do que aparentava nos livros anteriores, logo me conquistando por ser bem parecida comigo. Em relação à Gareth, senti pena dele em todos os embates com o pai, ainda mais no diálogo dois dois sobre família. Eles são o complemento perfeito um pro outro, concorrentes à altura, mas parceiros em qualquer situação. E as cenas quentes... ah, Julia Quinn sempre arrasa nas descrições. Só fiquei com uma pulguinha atrás da orelha depois da cena da primeira noite, mas enfim, a gente inventa a resposta pra própria pergunta e vida que segue.

- Eu daria o mundo para ter mais uma pessoa pela qual daria a minha vida.
E então, de repente, Hyacinth viu que certas coisas apenas se sabem, e não há como explicá-las.
Naquele momento, ela soube que se casaria com aquele homem.
Ninguém mais serviria.

Os capítulos são iniciados por comentários ironicamente engraçados, e não podia deixar de ter algo espirituoso precedendo o texto, como em toda a série (ainda sinto falta de Lady Whistledown mimimi). E de resto é tudo igual aos 6 livros que a gente já conhece - mesma identidade na capa (adorei essa Hyacinth de cabelos soltos), revisão e diagramação boas.

- No meu coração, sou sua avó há anos. Só estava esperando que se tornasse oficial.

Agora não sei se fico ansiosa pelo último livro da série ou se já sofro por antecipação com o fim de uma saga que me conquistou e me ensinou a gostar de romance de época. Julia DIVA Quinn é só amor!
Giulia Ladislau
26 anos. Filha do Rei. Carioca da gema. Aliança na mão esquerda. Pedagoga por formação, militar por profissão, revisora por paixão. Fascinada por livros desde quando nem se entendia por gente.

2 comentários

  1. "Só fiquei com uma pulguinha atrás da orelha depois da cena da primeira noite, mas enfim, a gente inventa a resposta pra própria pergunta e vida que segue." agora fiquei curiosa! ahushuahus

    Tô ansiosa para ler este <3

    ResponderExcluir
  2. Estou amando demais esse livro. E caçando loucamente um site que dê spoilers, pois tô no trabalho e não posso continuar a leitura agora! kkkk
    Parabéns pela resenha!

    http://www.curaleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir

Que prazer em ter você aqui! Entre e sinta-se à vontade.
Se gostou do post (ou não), deixe um comentário. Sua opinião é muito importante pra melhorar cada vez mais o blog. =)