{ no cinema } Amor em Sampa


Amor em Sampa

Estreia: 25 de fevereiro de 2016
Gênero: Romance / Musical
Classificação: 14 anos
Duração: 1h53min
Diretor: Carlos Alberto Riccelli / Kim Riccelli

Cosmo (Carlos Alberto Riccelli) é um taxista que ama rodar por São Paulo. Um dia, ao encontrar Mauro (Rodrigo Lombardi) em um bar, recebe uma proposta inusitada: gravar depoimentos de passageiros em seu táxi, nos quais as pessoas falariam sobre o que gostam em São Paulo. A ideia faz parte de uma campanha publicitária idealizada por Mauro, que pretende levantar a auto-estima do paulistano em relação à cidade. Paralelamente, a aspirante a atriz Carol (Bianca Müller) e sua amiga Mabel (Letícia Colin) chegam atrasadas a um teste para uma peça teatral. Lá conhecem Matheus (Kim Riccelli), um diretor mulherengo que logo se interessa por ambas. Há ainda a empresária Anis (Bruna Lombardi), que trava um duelo de poder com o ambicioso Lucas (Eduardo Moscovis), e também o casal formado por Raduan (Tiago Abravanel) e Ravid (Marcello Airoldi), que pretende em breve oficializar a união.



Seja a mudança que você quer ver no mundo. Essa frase de Gandhi norteia o enredo de Amor em Sampa, um filme utópico com a maior metrópole do Brasil. Mas fica só no discurso mesmo, porque a execução foi totalmente ao contrário. Se a ideia era mostrar a diversidade dos paulistanos, errou feio, errou rude!

Vou tentar resumir o enredo: 5 histórias de amor na cidade de São Paulo. Carlos Alberto Ricceli faz Cosmo, o taxista solteirão que ama odiar o trânsito e acaba se envolvendo com a pobre interesseira interpretada por Miá Mello. Mas no fundo ele não esqueceu seu amor do passado, Aniz (Bruna Lombardi), herdeira de uma grande empresa e sócia majoritária. Pra ter seus planos facilitados, Lucas (Du Moscovis) decide jogar todo seu charme pra tentar seduzir e encontrará certa dificuldade. Mauro (Rodrigo Lombardi) é um publicitário idealista que cria a campanha Amor em Sampa por causa de sua crise de consciência; ele se envolve com a estilista Tutti (Mariana Lima). Um de seus funcionários é Raduan (Tiago Abravanel), companheiro de Ravid (Marcelo Airoldi), que trabalha pra Mauro; eles são o casal gay espalhafatoso que trata a cachorra como filha. E numa história totalmente paralela, sem ligação nenhuma, Mabel e Clara (Bianca Müller e Letícia Colin) são duas amigas que disputam um papel na peça e a atenção do diretor Matheus (Kim Ricelli).

Primeiro precisamos conversar sobre preconceito. Eles conseguiram errar a mão em machismo, racismo, homofobia. A única personagem negra é a faxineira. Duas mulheres disputam por um homem e ele sai por cima. A outra troca sexo por carona e quer um marido rico e velho. Os personagens homossexuais foram totalmente caricatos. Em resumo, foi um show de estereótipos de embrulhar o estômago.

Fiquei toda animada quando soube que era um musical romântico, mas não consegui manter a empolgação quando comecei a ouvir rimas toscas e frases ridículas. Vergonha alheia define. E o pior foi ver que havia outras pessoas tendo o mesmo tipo de reação, aquele riso de deboche. Mas preciso admitir que a ideia sai da caixinha, já que musical no Brasil é quase inexistente e as músicas se encaixaram bem no contexto.

A produção é bem familiar, com Bruna Lombardi assinando o roteiro e a direção ficando por conta de Carlos e Kim Ricelli (mãe, pai e filho). Os atores já são conhecidos das nossas telinhas, então foi fácil gostar do elenco, mas me surpreendi com o lado cantor que eles apresentaram.

A melhor parte são os depoimentos de paulistanos no táxi de Cosmo. Pessoas comuns, de diferentes jeitos e idades, que demonstram seu amor por São Paulo. E disso eu entendo bem, porque tenho o maior orgulho da minha cidade apesar dos problemas. Juro que queria achar legal o todo e até tentei deixar de lado a rivalidade RJ X SP pra enxergar esse mesmo sentimento nas cenas. Mas não deu. Boas ideias que não saíram do papel e uma tentativa fracassada de musical brasileiro.









Giulia Ladislau
26 anos. Filha do Rei. Carioca da gema. Aliança na mão esquerda. Pedagoga por formação, militar por profissão, revisora por paixão. Fascinada por livros desde quando nem se entendia por gente.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Que prazer em ter você aqui! Entre e sinta-se à vontade.
Se gostou do post (ou não), deixe um comentário. Sua opinião é muito importante pra melhorar cada vez mais o blog. =)